Texto: Lucas Gallafrio

O desempenho de Viviane Oda Miranda ou Vivi Oda, como é conhecida, desde cedo é ressaltado por sua técnica Maria Carolina Nogueira de Oliveira. Aos 4 anos, a pequena notável que nasceu em 21 de junho de 2005, em Guaratinguetá, São Paulo, já chamava a atenção por sua habilidade motora muito aprimorada. “Era muito flexível e se destacava entre as amiguinhas”, diz Maria Carolina.

A atleta demonstrava habilidade motora e maestria no manuseio dos aparelhos, chamando a atenção de quem a observava. De acordo com Maria Carolina, Vivi é uma ginasta que foge do biótipo da ginástica rítmica, por não ser alta, mas que buscou seus diferenciais em outros artifícios, conseguindo conquistar atenção dos árbitros. Vem daí o apelido de pequena notável. “Realmente percebemos que ela foi uma guerreira que sempre treinou até exaustão atrás de seus objetivos”.

Este ano a atleta participará do Pan Americano de Ginástica, que acontece em Monterrey, no México, em junho, e estará no Primeiro Mundial de Ginástica Júnior, que será realizado em Moscou, em julho. Trata-se do campeonato mais almejado por um atleta do cenário esportivo, onde novamente Oda se superou, conquistando sua classificação contra as melhores do país, mesmo estando lesionada.

O diferencial dela no final é amar o esporte, o que a faz enfrentar todos os obstáculos da vida”, ressalta Maria Carolina. Hoje a jovem é considerada uma das grandes promessas do Brasil na ginástica rítmica para os Jogos Olímpicos de 2024, em Paris. Abaixo uma lista dos títulos de sua carreira.

Títulos:

. Vice-campeã no individual geral, ouro na corda, e prata na coreografia com as mãos livres, no Estadual de 2014, em São Caetano do Sul (SP)

. Campeã da corda, 3ª no individual da geral na categoria pré-infantil no Brasileiro, em Contagem (MG)

. Campeã por equipe e no arco, pela Seleção Brasileira no Sul-Americano de Cúcuta (COL)

. Campeã de mãos livres, arco, bola e individual geral no Estadual de Pindamonhangaba

. Medalha de ouro no individual geral, bola e mãos livres, no Brasileiro de Osasco

. Medalha de ouro por equipe, no individual geral, na bola e no arco, e prata nas mãos livres, no Sul-Americano de Cochabamba

. 3º lugar no individual geral e na bola, foi campeã no arco e na fita, no seu primeiro Brasileiro da categoria infantil

. Campeã por equipe, na bola e na fita, no Sul-Americano de Paipa (COL)

. Em seu último ano na categoria infantil, se consagrou campeã em todos os aparelhos que disputou no Brasileiro de Vitória (ES)

. Medalha de ouro por equipe e nas maças, no Sul-Americano no Equador

. Vice-campeã no individual geral e foi campeã do arco, bola e fita, no Pan-Americano da Argentina

. Campeã individual geral e levou medalhas em todos os aparelhos, no LA Lights de Ginástica (Los Angeles, EUA)

. Vice-campeã com quatro medalhas de prata e uma de ouro, no do Rhythmic Art Invitational de Miami (EUA), onde foi seu primeiro na categoria Juvenil

. TOP 10 na Challenge Cup em Kazan Rússia